13 de agosto de 2007

"Prefiro as máquinas que servem para não funcionar:
quando cheias de areia de formiga e musgo - elas podem um dia milagrar flores

(Os objetos sem função têm muito apego pelo abandono)

Também as latrinas desprezadas que servem para ter grilos dentro - elas podem um dia milagrar violetas.

(Eu sou beato em violeta)

Todas as coisas apropriadas ao abandono me religam a Deus!

Senhor, eu tenho orgulho do imprestável!

(O abandono me protege.) "

Manoel de Barros Livro sobre nada

Um comentário:

Enzo Potel disse...

pooooxa
mal entro no local e já tem Manoel de Barros em Livro sobre nada..
("só as coisas rasteiras me celestam"!!!)

mandou muito bem!!!
-eu nunca falaria essa frase na minha vida, mas acho que coube pro presente momento hahaha

mas vem cá, muita curiosidade: como é que um affganistão chegou aos seus pés?

abraçon